24.7 C
Caldas Novas
quinta-feira, 26 novembro, 2020

Tecnologia: qual o seu limite na hospitalidade?

  • Por Kardec Borges, diretor de desenvolvimento de negócios na UNYT Arquitetura de Resultados

O advento da tecnologia e das mídias sociais invadiu todos os espaços das vidas modernas. Não poderia ser diferente na área da hospitalidade, um dos segmentos que foram mais afetados por esses avanços – afinal em nenhum outro setor o serviço é tão valorizado. Desde a automatização do check in, passando por concierges virtuais para obter respostas rapidamente e até poder agendar ou cancelar serviço de quarto quando eles quiserem, os serviços digitais e a tecnologia alteraram drasticamente a experiência do hóspede. Mas será que é isso mesmo que os hóspedes esperam dos hotéis? A interação humana pode ser substituída pelo toque de um botão na experiência de hospitalidade?

Segundo pesquisa recente da CallisonRTKL acerca das prioridades dos hóspedes nas suas estadias, 79% tem como pilar principal um hotel que ofereça segurança e privacidade, enquanto 34% dão mais importância à recepção e 32% tem como prioridade a presença de tecnologia no quarto. Enquanto isso, 22% acham essencial a presença de bar no local e 21% acham indispensável a presença de um aplicativo do hotel, com check-in móvel e concierge.

Assim, embora os hóspedes esperam que a tecnologia esteja intimamente ligada com a experiência da hospedagem – principalmente quando trata-se do controle de quartos – 60% apresentam hesitação em ficar em um hotel totalmente operado por robôs. Mesmo que esse modelo de serviço seja mais rápido e conveniente, muitos hóspedes ainda acham indispensável o contato humano na hospitalidade. Portanto, o desafio dos hoteleiros é permanecer à frente das demandas emergentes de personalização do serviço e ainda conhecer seu hóspede em um nível mais profundo.

Se aventurar no território da tecnologia na hospitalidade é um passo que deve ser dado com cautela, pois, embora muitos tentem, poucos prosperam nesta área. Em 2015, o Henn na Hotel no Japão inaugura com a promessa de ser primeiro hotel do mundo totalmente operado por robôs – o serviço humano é utilizado apenas em casos de emergência. Apesar da conveniência, os depoimentos dos hóspedes sobre os robôs incluíram várias críticas; “é como conversar com o irmão mais novo e mais burro da Siri”. Quatro anos depois, ao contrário do que os idealizadores esperavam, o Henn na Hotel precisou substituir a maioria dos seus serviços, antes feitos por robôs, por humanos. O preço de ter uma equipe humana como “staff” para realizar manutenções emergenciais e suprir os erros dos robôs encareceu a ponto de não ser mais viável a proposta original. O que aparentemente é um passo em direção ao futuro pode ser um movimento em falso caso a tecnologia não funcione perfeitamente e as pessoas percam rapidamente o interesse com esse tipo de sistema – como foi o caso.

Não existe uma receita para o equilíbrio e os níveis de tecnologias ideais, mas alguns pontos podem ajudar a utilizar da melhor forma possível, sem arriscar uma experiência impessoal com o hóspede. É imprescindível que os serviços orientados por tecnologias sejam fáceis de usar para todas as gerações, levando em conta que um check in digital, por exemplo, é muito mais simples para uma geração que é nativa digital e não se deve ignorar aqueles que preferem que sua experiência não seja orientada digitalmente. O atendimento ao cliente deve ser considerado em primeiro lugar, sem tecnologias complicadas ou que exijam mais solução de problemas do que uma ajuda humana.A mistura perfeita da experiência de hospitalidade e a utilização de tecnologia pode ser atingida com cautela se voltada para a personalização da estadia e, consequentemente, gerar um maior entendimento do hotel sobre as vontades do seu cliente. Um exemplo prático disso é o “M Beta” no Charlotte Marriott City Center, um protótipo de coleta de feedbacks em tempos reais, permitindo que atendentes resolvam imediatamente problemas ou preocupações. Não trata-se da substituição de humanos por robôs, e sim a complementação: identificar em que ponto a tecnologia pode melhorar significativamente a experiência do hóspede.

Kardec Borges

Curtiu? Compartilhe!

Notícias Relacionadas

Setores de Turismo e Hotelaria são alvos de ciberataques, de acordo com pesquisa

Estudo revela que indústrias de varejo, hotelaria e turismo foram atingidos por quase R$ 70 bilhões de ataques nos últimos dois anos Publicado recentemente, o...

Principais erros cometidos nas mídias sociais pelas empresas

Estratégias de marketing digital são fundamentais para qualquer companhia, mas poucas possuem de fato um planejamento e metas para as redes sociais Não restam dúvidas...

WAM lança empresa de vendas digitais de multipropriedades

Meta da Segunda Casa é chegar a 20 mil cotas comercializadas até 2022 Em um momento como o atual, todo o mercado está empenhado na...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

×