29.5 C
Caldas Novas
quarta-feira, 25 novembro, 2020

Manifesto da Multipropriedade Turística é lançado pela ADIT Brasil

Em campanha nacional, documento firma compromisso do segmento com transparência e boas práticas; empreendedores podem aderir à campanha fixando os cartazes em suas Salas de Vendas

A Multipropriedade Imobiliário-Turística no país é uma realidade que impressiona – apenas em 2019 foram mais de 432 mil frações disponibilizadas ao mercado nacional. Esse crescimento vai na contramão da crise econômica que afetou fortemente o mercado imobiliário como um todo. O lançamento do “Manifesto da Multipropriedade Turística” – documento elaborado pela ADIT Brasil – Associação para Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil – é parte de uma campanha nacional de conscientização de empresários e compradores.

Antes de se planejar um novo empreendimento de multipropriedade, é necessário avaliar se o destino possui infraestrutura suficiente para receber a oferta de cotas disponibilizadas ao mercado. É o que defende o presidente da ADIT Brasil, Caio Calfat.  “A multipropriedade não é uma modalidade simples e necessita ser tratada de forma extremamente profissional, pois envolve incorporação imobiliária, técnicas de timeshare, gestão de carteira, hotelaria, administração condominial e trabalha com conceitos da economia compartilhada. O manifesto busca resguardar o mercado”, diz.

Entre as dicas presentes no manifesto que devem ser acompanhadas atentamente pelos compradores, constam verificar a reputação do produto comercializado, o histórico de entrega da incorporadora, a capacidade técnica de construção e consulta ao recém-lançado Manual de Melhores Práticas para Multipropriedades Turísticas, entre outras importantes dicas. “Ler esse manual é um dos pontos mais importantes do manifesto. O Secovi-SP, com apoio da ADIT, levou três anos para desenvolvê-lo. Ouvimos as principais empresas do setor que elaboraram capítulos específicos sobre suas áreas de especialidade”, explica Caio Calfat.

Vale lembrar que a aprovação da Lei Federal 13.777/2018 regulamentou o instituto da multipropriedade no país, dando maior tranquilidade aos compradores. “Agora presente no Código Civil, que baliza oficialmente a modalidade, investidores e compradores possuem um arcabouço jurídico robusto, sólido e que envolve anseios de todos os players da Multipropriedade. Desenvolver o mercado agora é missão de mais pessoas e isso favorece os compradores”, conta Calfat.

De acordo com números atuais, o VGV Projetado (oferta total colocada à venda) de 2019 bate a cifra de R$ 22,3 bi. “Esses resultados foram alcançados em razão do trabalho sério de entidades representativas, profissionais competentes e grandes empresas. O comprador, que é a peça mais importante nesta dinâmica, tem a escolha livre e soberana da compra. Ele é quem vai decidir quais empresas permanecem no setor.”

Para conferir o Manifesto na íntegra você pode clicar em http://adit.com.br/pesquisas-estudos/

A ADIT Brasil lançou uma campanha nacional para que Salas de Vendas de todo o país exibam o documento em locais visíveis para futuros compradores. “Os bons empreendedores vão mostrar e dialogar de forma transparente sobre os pontos presentes no manifesto. No fim das contas, tê-lo à mostra é uma espécie de validação de boas práticas”, finaliza o presidente da ADIT Brasil.

Fonte: Comunicação ADIT Brasil

Curtiu? Compartilhe!

Notícias Relacionadas

Diretor de marketing e vendas da GR Vacation apresenta pilares para a retomada no período pandêmico

Para Rodrigo Martins, os gestores e profissionais devem buscar melhorar a eficiência em vendas, já que o volume de atendimentos será menor Os retornos das...

Gerente nacional de captação da WAM Comercialização apresenta palestra sobre alto desempenho

Erick Faleiro falou cinco princípios para atingir melhores resultados Com a palestra ‘’Performance: princípios do alto desempenho’’ o gerente nacional de captação da WAM Comercialização,...

Diretor comercial da New Time apresenta os desafios da retomada das vendas presenciais

Para Raimundo Pimenta, o segmento de propriedade compartilhada irá se recuperar em menos de um ano dos impactos da pandemia A retomada do segmento de...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

×