25.5 C
Caldas Novas
terça-feira, 24 novembro, 2020

Como evoluímos diante dos prejuízos

Artigo de Ricard Massó, fundador da IMG International

No início, a IMG desenvolvia e comercializava empreendimentos apenas para estrangeiros que tinham o desejo de ter uma casa de férias no nordeste brasileiro, e vislumbravam nisso uma forma mais vantajosa de tirar férias.

Na Europa, para ter a mesma casa eles tinham que gastar em torno de 200 mil euros, e aqui podiam gastar 40 mil, por exemplo. 5 vezes menos do que gastariam lá.

Em 2008, enquanto a Europa e os EUA estavam com problemas econômicos, o Brasil estava crescendo com uma expectativa super positiva, porque nos anos seguintes o país seria sede da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos.

Naquele momento, nós estávamos desenvolvendo vários empreendimentos simultaneamente, alguns para estrangeiros, outros para brasileiros, e tínhamos vários problemas nas entregas desses imóveis.

Os prazos não estavam sendo cumpridos, a qualidade não ficava do jeito que a gente prometia e tinha muito custo com reparação, infiltração, uma luz que não ligava, uma fiação mal passada, problema na rede de água, vários problemas que surgiam por negligência das empresas terceirizadas que trabalhavam conosco.

Diante desse prejuízo, percebemos que era mais vantajoso ter nossa equipe de arquitetos, engenheiros, tudo controlado e fiscalizado por nós. Com o objetivo de melhorar o desempenho e a qualidade das incorporações, decidimos criar nossa própria construtora.

Mas surgiram outros prejuízos no decorrer da nossa história.

Fizemos uma parceria com empresas que são especialistas em administração de propriedades imobiliárias para cuidar das unidades dos empreendimentos que estavam sem uso.

Nós sediamos nossos imóveis para empresas desse setor, e elas alugavam, cuidando de todo o processo de manutenção, cobrança, vistoria de entrada e vistoria de saída.

Essa parceria não estava funcionando bem. Estávamos tendo alguns prejuízos, e diante dessa situação, eu considerei a ideia de que se eu me envolvesse também neste tipo operação, seria impossível trabalhar pior que eles.

Foi assim que decidimos criar a nossa própria empresa de administração de propriedade imobiliária. A ideia era gerenciar esses imóveis com o intuito de darem lucro, e não prejuízo como estava acontecendo.

Sabe qual foi o resultado disso? 

Trabalhamos bem, a empresa deu lucro e muitos clientes começaram a nos passar  imóveis a ponto de termos em torno de 400 imóveis administrados somente para aluguel de longa temporada.

Diante de tudo isso, a reflexão que fica é que a nossa empresa se expandiu ao longo dos anos por necessidade de superar esses prejuízos. 

E deu tudo certo.

Eu estou sempre procurando oportunidades, e meu próximo passo me levou para o setor de timeshare que é principal ramo da empresa hoje. Mas isso é assunto para um próximo artigo. 

Agora eu quero saber uma coisa de você, caro leitor: na sua trajetória de vida pessoal e profissional, como você costuma reagir diante das dificuldades?

Fala nos comentários.

Essa foi a minha reflexão de hoje. Convido você a seguir a página do instagram @umdiariodetimeshare, para acompanhar insights diários sobre o mercado.

Curtiu? Compartilhe!

Notícias Relacionadas

ADIT Share define programação e painelistas

Seminário para debater os modelos de multipropriedade e timeshare acontece em Gramado, nos dias 26, 27 e 28 de novembro A 8ª edição do ADIT...

Desemprego no Brasil??? Falta mão de obra para segmento de propriedade compartilhada

Empresas deste mercado continuam gerando empregos mesmo durante crise da pandemia Fábio Mendonça Na contramão da economia do país, a propriedade compartilhada, segmento do turismo...

RCI confirma realização do Top Seller Event 2020

Totalmente online, pela primeira vez, evento será realizado em agenda integrada com o LASOS 2020 Dois eventos importantes da América Latina para a Indústria...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

×