19.6 C
Caldas Novas
terça-feira, 24 novembro, 2020

ADIT Share 2019: Painel debate Lei de Multipropriedade e Manual de Boas Práticas

Para debater  no ADIT Share a Lei de Multipropriedade, Lei 13.777/18, e o Manual de Boas Práticas da Multipropriedade, que será lançado pelo Secovi/SP, no dia 27/08, durante evento da entidade na capital paulista, a ADIT Brasil convidou o sócio da Hotel Invest, Diogo Canteras; o sócio da Camozzi Advogados, Cláudio Camozzi; o presidente da ADIT Brasil, Caio Calfat; o sócio da Duarte Garcia, Serra Netto e Terra Advogados, Guilherme Terra; e a sócia da Rezeke & Azzi Advogados, Márcia Rezeke.
O ADIT Share 2019 é o principal seminário de timeshare e multipropriedade do país, realizado pela ADIT Brasil, que acontece em Foz do Iguaçu/PR, nos dias 06, 07 e 08 de junho.
Para Márcia Rezeke, o Manual de Boas Práticas, que não pretende regular o mercado, vem em um bom momento, como foi a aprovação da Lei de Multipropriedade, para que não tenha práticas no mercado como no passado, em que sujaram a reputação do negócio.

Caio Calfat

Caio Calfat lembrou que a Lei de Multipropriedade trabalhou com particularidades que não tinham no ordenamento jurídico brasileiro. ‘’Essa segurança jurídica pode resultar em um crescimento exagerado desse modelo de negócio. Para isso, foi desenvolvido o Manual de Boas Práticas, para aconselhar e orientar os empresários e não regular. Precisamos ter cuidado com esse crescimento desenfreado no país’’.
Quando a houve a explosão dos lançamentos de multipropriedade ainda não havia legislação específica. ‘’Usávamos outros arcabouços jurídicos para incorporar e lançar’’, lembrou Cláudio Camozzi. Ele contou que um grupo de empresários e advogados se juntou para regular esse modelo de negócio, que crescia muito, mas com muitos ‘’aventureiros’’.
‘’Tanto a Lei como o Manual vêm para serem guias. A Lei tem o mínimo necessário para uma convenção de condomínio. O Manual tem participação das intercambiadoras, incorporadoras, administradoras, consultorias, jurídico, etc’’, disse Cláudio Camozzi.
Cláudio Camozzi

Para o advogado Guilherme Terra, a aprovação da Lei foi um motivo de orgulho. Ele falou que a lei atua como pacificadora para investidores interessados no mercado. ‘’Havia muitos empresários que não investiam no setor por conta do risco existentes’’, disse. ‘’Hoje, por mais que a Lei seja imperfeita, dá a segurança jurídica’’.
Guilherme Terra

Manual de Boas Práticas
O consultor de negócios, Diogo Canteras, defendeu o Manual de Boas Práticas. ‘’É para educar o mercado, de como se trabalha na estruturação da multipropriedade, para minimizar os riscos’’, falou. ‘’É um produto complexo, que deve ser desenvolvido para o lazer’’.
‘’Dentro da forma de desenvolver empreendimentos de multipropriedade, há empresários realizando ótimos projetos, outros menos. As práticas de multipropriedade ainda não estão bem acertados’’, afirmou Diogo Canteras.
Diogo Canteras

O advogado Cláudio Camozzi explicou que a essência do Manual é mostrar para os empresários o que fazer e o que não fazer. ‘’O primeiro item do Manual será a definição de multipropriedade, diferenciando de timeshare, um pode complementar o outro, mas são diferentes; quem são os players mínimos necessários para iniciar o negócio – consultoria, comercializadora, administradora da carteira, parte jurídica, intercambiadora ou clube de benefícios, administradora hoteleira; depois falamos do empreendimento desde a concepção até a entrega aos multiproprietários’’.
CVM na multipropriedade
Caio Calfat lembrou da regulação pela CVM, que condo-hotéis devem passar, mas não multipropriedade. ‘’ A multipropriedade é um produto de lazer e férias. O condo-hotel é um produto diferente, utilizado para rentabilidade’’.
O presidente da ADIT revelou que a CVM já analisou dois projetos de multipropriedade. Um em Olímpia, em que a CVM aprovou o parecer do advogado sobre o projeto. ‘’Pode-se criar uma jurisprudência’’. E o outro empreendimento de multipropriedade que foi analisado pela CVM é localizado em São Paulo, mas conta com um conceito diferente do mercado, pois é totalmente focado para rentabilidade, com pool de locação.
Márcia Rezeke

Márcia Rezeke disse que há empreendimentos de multipropriedade que trabalham com pool de locação, alguns opcionais e outros obrigatórios. ‘’É melhor passar pela CVM de qualquer modo, para não ter problemas no futuro’’.
No Manual de Boas Práticas há um capítulo sobre a CVM. ‘’Se o empreendimento tiver pool de locação, é melhor ir à CVM’’, disse Cláudio Camozzi.
 A Revista Turismo Compartilhado cobre o ADIT Share 2019 a convite da ADIT Brasil.
 
 
 

Curtiu? Compartilhe!

Notícias Relacionadas

Desemprego no Brasil??? Falta mão de obra para segmento de propriedade compartilhada

Empresas deste mercado continuam gerando empregos mesmo durante crise da pandemia Fábio Mendonça Na contramão da economia do país, a propriedade compartilhada, segmento do turismo...

RCI confirma realização do Top Seller Event 2020

Totalmente online, pela primeira vez, evento será realizado em agenda integrada com o LASOS 2020 Dois eventos importantes da América Latina para a Indústria...

#CASE inicia fase de comercialização do Modevie Boutique Hotel

Além de iniciar vendas das multipropriedades, a empresa anuncia vagas de empregos para Gramado A partir da segunda quinzena de novembro, o Modevie Boutique Hotel,...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

×