Rede já reabriu um empreendimento, o Hard Rock Hotel Shenzhen, na China

Em entrevista à rede de televisão CNBC, o presidente da Hard Rock International, Jim Allen, afirmou que não espera um retorno rápido aos negócios robustos após a reabertura dos hotéis, cassinos e restaurantes da marca fechadas por conta da pandemia do Covid-19.

Operando empreendimentos em vários países, a Hard Rock International já lida com o novo coronavírus desde janeiro, no início da pandemia na China.

“Será um grande desafio, especialmente aqui nos Estados Unidos, no que diz respeito à recuperação dos negócios. Estamos planejando levar um ano”, previu Jim Allen.

Aliás, o primeiro empreendimento Hard Rock Hotel reaberto está localizado na China, que começou a flexibilizar a quarentena no final de março e muitos estabelecimentos comerciais voltaram a operar, seguindo restrições de distanciamento.  

De acordo com o presidente da Hard Rock International, a volta às operações do Hard Rock Hotel Shenzhen, há cerca de quatro semanas, é um exemplo das dificuldades que as outras empresas em outras partes do mundo podem enfrentar ao reiniciarem seus negócios. “Reabrimos o Shenzhen Hotel. A ocupação está agora em 12%’’. 

Jim Allen salientou que o Hard Rock Hotel Shenzhen e outros empreendimentos da marca pelo mundo que dependem muito do turismo irão sofrer mais. “Se você olhar para o Hard Rock Cafe na Times Square (em Nova York), um restaurante que fatura US$ 50 milhões em vendas, vem tudo do turismo. Londres também é turismo”

No entanto, Jim Allen revelou que a parte mais lucrativa da marca Hard Rock vem dos cassinos da Flórida e dependem mais de um turismo regional, em que as pessoas podem ir de carro, em vez de embarcarem em um avião. Porém, ele foi bem realista em sua análise, dizendo que isto é apenas bom para a retomada dos negócios, mas que a geração de atividades comerciais sustentadas não acontecerá rapidamente.