Empresa oferece US$ 250 milhões para cobrir custos dos cancelamentos das hospedagens

Neste momento de crise de pandemia do novo coronavírus (COVID -19) as empresas estão desenvolvendo meios para manter seus colaboradores, parceiros e clientes. Não é diferente com o Airbnb, maior plataforma digital de compartilhamento de hospedagens do mundo, que anunciou recentemente a criação de um fundo de US$ 250 milhões (aproximadamente R$ 1,3 bilhão) para ajudar os parceiros que alugam suas casas por meio da plataforma a cobrir os custos dos cancelamentos das hospedagens.

Segundo um comunicado oficial do Airbnb, para reservas até 31 de maio, o anfitrião receberá 25% do valor a que teria direito pela política normal de cancelamento, custo coberto inteiramente pelo Airbnb, e os hóspedes que cancelarem ganharão opções de cancelamento e reembolso.

Outra novidade anunciada pelo Airbnb é a criação de um fundo adicional de US$ 10 milhões (cerca de R$ 52 milhões) para dar suporte aos ‘’superhosts’’, que são os parceiros mais bem avaliados pelos usuários da plataforma. Além disso, o Airbnb também desenvolveu um fundo de US$ 5 milhões (aproximadamente R$ 26 milhões) aos parceiros bem avaliados que alugam suas próprias casas e precisam de ajuda para pagar aluguel e hipoteca.

Segundo o CEO do Airbnb, Brian Chesky, esse fundo foi iniciado pelos funcionários da plataforma, que conseguiram arrecadar US$ 1 milhão (R$ 5,27 milhões) e os US$ 9 milhões (cerca de R$ 47,4 milhões) restantes são contribuições dos fundadores da empresa.

De acordo com ele, o Airbnb também desenvolve outros projetos: uma parceria com especialistas e epidemiologistas para definir padrões de limpeza, um seguro de viagem para anfitriões e seus hóspedes e programas para ajudar na retomada dos negócios.

 “Meu compromisso é reconstruir a nossa parceria. Quando trabalhamos juntos, fazemos o nosso melhor. Vi isso recentemente nos nossos esforços conjuntos para oferecer acomodação gratuita ou com subsídio aos profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate à doença. Juntos, estamos ajudando a acomodar mais de 100 mil profissionais sanitários, agentes humanitários e socorristas. Mais de 40 mil anfitriões já aderiram ao programa”, finalizou Brian Chesky.