Trajeto deverá funcionar a partir do ano que vem e vai ligar Mercado Municipal, Gramadão e usina de Itaipu

Os turistas que forem visitar as belezas de Foz do Iguaçu, no Paraná, contarão, a partir do ano que vem, com um novo e moderno circuito turístico. O trajeto, que está sendo desenvolvido pela Itaipu Binacional, integrará o futuro Mercado Municipal da cidade a uma área de lazer e à usina de Itaipu, maior hidrelétrica do mundo e um dos mais famosos pontos turísticos do local. No circuito, os visitantes poderão conhecer alguns dos pontos históricos, além de aproveitarem os atrativos naturais da cidade paranaense.

Entre os benefícios da rota para a população, está a revitalização do parque conhecido como Gramadão. O espaço vai receber novo mobiliário urbano, ordenamento e adequação das barraquinhas de comidas, reforço na iluminação, arborização e paisagismo, instalação de arquibancadas de concreto, criação de rampas e adaptação da Concha Acústica para diferentes tipos de espetáculos. A estimativa é de que a reforma comece no segundo semestre deste ano.  A conclusão está prevista para 2021, num investimento estimado de R$ 2,6 milhões.

Além disso, a cidade ganhará um Mercado Municipal, que deverá ser concluído em janeiro de 2021. No espaço, serão construídos 70 boxes, com restaurantes, quiosques, empório, mercearia e comércio em geral, além de uma praça de eventos. O espaço turístico de Itaipu, também, passará por obras como melhorias e embelezamento do Mirante do Vertedouro das mudanças do Centro de Recepção do Visitante, na entrada da barreira, com a criação do espaço kids.

“O turismo é uma vocação natural de Foz do Iguaçu. É uma atividade que gera riquezas e benefícios para centenas de milhares de pessoas em toda a região”, diz Joaquim Silva e Luna, diretor-geral brasileiro de Itaipu.  Ele lembra que o investimento em turismo faz parte da missão da usina, que é “gerar energia elétrica de qualidade, com responsabilidade   social e ambiental, impulsionando o desenvolvimento econômico, turístico e tecnológico, sustentável, no Brasil e no Paraguai”.

Fonte: Ministério do Turismo