Antiga reivindicação do setor, a isenção permanente deverá impulsionar ainda mais o lançamento de novas atrações em parques temáticos e aquáticos

Os parques temáticos e aquáticos brasileiros têm motivos para celebrar hoje, pois o setor conquistou uma grande vitória, foi publicado hoje no Diário Oficial da União a isenção permanente de impostos de importação de equipamentos para o segmento de parques e atrações, entrando em vigência em 10 de janeiro de 2020.

Esta isenção era uma antiga reivindicação dos empresários do setor e do Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas (Sindepat), com apoio do Ministério do Turismo, pois grande parte dos equipamentos para as atrações são importadas, assim, o imposto da importação e o custo do frete tornavam o lançamento de novos empreendimentos e atrações quase inviáveis. O setor de parques desejava que os equipamentos fossem classificados como bens de capital, em vez de bens de consumo.

O presidente do Sindepat e CEO do Beach Park, Murilo Pascoal, afirmou que essa conquista terá um impacto em investimentos e lançamentos de novos parques, inclusive, no curto prazo.

“Os empresários podem aproveitar e contribuir ainda mais para o incremento do turismo em suas regiões, por meio da atratividade dos empreendimentos em operação e da oportunidade para abertura de novos. Nossos parques já figuram como um dos principais destinos latino-americanos. Eles são âncoras econômicas nos locais onde estão instalados, induzindo o desenvolvimento e gerando empregos e renda para a população”, disse o ministro do Turismo, Marcelo Alvaro Antônio, que desde o início entendeu e abraçou o pleito do setor. Ele conclui assim um esforço que contou com a participação ativa dos ex-ministros Marx Beltrão, Vinicius Lummertz e suas equipes.

De acordo com o ex-presidente do Sindepat e presidente do parque Wet ’n Wild, Alain Baldacci, os valores de equipamentos mais que dobravam com os impostos e isso bloqueou por muitos anos o desenvolvimento do segmento de parques, atrações e entretenimento. ‘’Agora, entramos definitivamente no mapa de grandes e novos investimentos e, também, de forte crescimento dos parques existentes”.

De acordo com o Sindepat, em 2018, o setor de parques e entretenimento faturou mais de R$ 3 bilhões no Brasil, teve em torno de R$ 130 milhões em investimentos, recebeu 30 milhões de visitantes, além de gerar 15 mil empregos diretos.